segunda-feira, 2 de maio de 2016

O HOMEM GADARENO


O homem se perdera de si... Não sabia seu nome, a família o rejeitara, a sociedade o abandonara, ele se acostumara a condição de párea morando entre sepulcros num longínquo cemitério, afastado da cidade, de tudo e de todos.

Eis que terrível tempestade assola o barco e seus ocupantes. Jesus dorme tranquilo: nada o perturba. 

Além dali, um homem se lança de lá para cá sem paz vitimado por espíritos imundos. O corpo mutilado por pedras sofre as agressões de satanás. Jesus o sabe. Cuida dos seus, acalma a tempestade e parte para Gadara em busca de um.

Esse um pode ser você, assim como fui eu e o homem de Gadara.  

No primeiro momento, à chegada de Jesus, corre-lhe ao encontro, prostra-se a seus pés e o adora, mas logo em seguida rejeita-o e lhe questiona:

- Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? conjuro-te por Deus que não me atormentes. Marcos 5:7 

Jesus balança as estruturas do inferno. Os demônios o conhecem. O brilho, a luz e o poder de Jesus os atormentam. Acostumados àquele lugar, rogam a Jesus que os deixem ficar.

Como podemos imaginar uma vida sem esperança, sem conhecimento, sem Deus e sem Jesus? As vezes preferimos ficar em nossa zona, ante encarar o desconhecido. Acostumamos às situações e até não queremos ser incomodados, ainda que seja, ou até quem sabe, por Jesus.  

No primeiro momento o homem se lança a Jesus em adoração, mas logo questionado - qual é teu nome? - não sabe quem é. Já não tem mais identidade. Não tem nome. Tudo lhe fora sequestrado, ao ponto de se deixar responder pelos muitos que dirigem sua vida:

Legião é o meu nome, porque somos muitos. Marcos 5:9 

O homem gadareno nem sequer indaga o porquê daquela presença, ao menos solicita que seus grilhões sejam quebrados. Sua autoestima era apenas de destruição. Satanás o transformara num verme que se feria, gritava dia e noite e não se afastava daquela situação deprimente. Esvaídas as forças, prostrava-se ante a condição a que fora submetido.

Será que conhecemos pessoas nessas condições?

Os espíritos imundos entretanto conheciam muito bem quem estava ali e faziam pedidos:
  1. Não nos atormente
  2. Não nos mande para fora deste local
  3. Mande-nos para aquela manada de porcos


Jesus consente todas aquelas reivindicações, mesmo sabendo que logo dali seria expulso. 

E começaram a rogar-lhe que saísse dos seus termosMarcos 5:17

Quantas vezes já encontramos pessoas que não querem ouvir falar em Jesus; a Palavra de Deus lhes causa dano. Pessoas que fecham os ouvidos e o coração ante menção do Nome que é sobre todo Nome - Jesus. Até mesmo pessoas que recebem a graça, mas que, passado um tempo, esquecem, viram as costas e se lançam às práticas anteriores.   

Não aquele homem gadareno que insistia em acompanhar Jesus. Maravilhado aquele que lhe fora ceifado o juízo, assentava-se vestido e em juízo perfeito, além do que suplicava permanecer ao lado do seu Salvador.

Jesus contudo lhe tinha reservado outros planos. A casa, a família: 



Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti. Marcos 5:19


E ele foi, e começou a anunciar em Decápolis quão grandes coisas Jesus lhe fizera; e todos se maravilharam. Marcos 5:19,20


Nascia ali um missionário, o qual Jesus lhe atribuíra a missão - levar a Palavra aos seus. 

Jesus o fora encontrar não assentado nos bancos das igrejas, mas no lugar menos provável - num cemitério.

O homem gadareno não detinha títulos acadêmicos. Era simplesmente alguém de quem a família e a sociedade o rejeitara.

Quantos gadarenos pelo caminho! 

Quantos gadarenos a serem encontrados por Jesus... 

As Decápolis se multiplicam aguardando gadarenos. 

Jovens que se encontram cada vez mais desnudos perambulando pelas ruas, alheios a tudo e a todos. Distraídos, sombrios, taciturnos,  às mãos pequenas telas são consultadas, sem ao menos o olhar desviar.

- O que de tão interessante, passamos nós questionar?

Corrida frenética em busca de sonhos? Contudo, o que depreendemos é que essa corrida desenfreada pode compactuar com a legião. 

A ciência que viera para nos aproximar cada vez mais do Altíssimo, e a muitos aproxima, dado a facilidade de comunicação em tempo real, quantas vezes distancia o Criador da criação.

É tempo de se levantar gadarenos!

As maravilhas do Senhor devem ser anunciadas nas Decápolis. 

___________________________

Mc 5:1-20

Sob o olhar de Inajá Martins de Almeida

Texto inspirado na pregação do Rev. Hernandes Dias Lopez

https://www.youtube.com/watch?v=Q9jDQ_KxTSs
  



sexta-feira, 25 de março de 2016

QUEM DENTRE VÓS JAMAIS PECOU...

Paixão. Hoje - 25 de março de 2016 - inicia-se a Paixão de Cristo. Eu penso no livro. Escritor que o escreve e a mente Jesus - jamais escreveu qualquer livro que seja, embora argumento os tivera de sobra, entretanto deixou-nos imenso legado através de seus seguidores, de seus pescadores de almas.


Curiosa, imagino o que escrevera na areia, momento em que posso a imaginar a cena: - era uma mulher que lhe fora apresentada através do flagrante adultério. Sozinha, amedrontada, lançada ao chão, mantinha-se impassiva ante os agravos de seus algozes.


Fugira o parceiro? Onde se encontrava? Quiçá na roda dos que a acusavam, quem sabe!

Jesus na areia escrevia. Será que apenas simulava escrever? Linguagem dos homens ou dos anjos? Comunicava-se com o Pai? Conjeturas que leva o pensamento.

O balanço das águas. O levar nas águas palavras escritas na areia.

- "Quem dentre vós jamais pecara, atire a primeira pedra" 



Um a um deposita a pedra sobre a areia e sai.

- "Mulher! Onde estão seus acusadores?"...

A areia, o balanço das águas, puderam levar ou distanciar a todos os acusadores daquele lugar, mas, será que os corações puderam ser transformados com as águas do mar? Será que as pedras depositadas na areia foram apenas a expressão momentânea do corrupto coração a se justificar ante a questão?

- Quem os acusadores...

                                             - Quem janais pecou...

A exposição do erro, perante tantos, fora colocada à prova evidente.

Jesus torna a escrever...

Quem ali permanece para registrar o fato que nos é relatado; desta vez não mais na areia mas em formato tal que pudéramos hoje acompanhar o desenrolar dos acontecimentos e entender o envolvimento da mulher a quem Jesus aconselha:

- Mulher! Vai e não peques mais, pois nem eu te condeno...



____________________

Reflexões por Inajá Martins de Almeida

______________

Um texto ainda chama-me especial atenção - A importância dos diários, nossas memórias...


http://jeffersonmagnocosta.blogspot.com.br/2010/06/importancia-dos-diarios-autobiografias.html

sábado, 14 de novembro de 2015

COMO É QUE DEUS PERMITE ALGO TÃO HORROROSO...?!




 "Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo em toda a terra". - Je 5:30 -


O texto que segue é de Anne Grahan - filha do pregador Billy Grahan.


Sempre atuais suas palavras, embora proferidas há anos...


_______________




A FILHA DE BILLY GRAHAN NA TV AMERICANA




A filha de Billy Graham (grande escritor e pregador desta geração) estava sendo entrevistada no Early Show, e Jane Clayson perguntou a ela:


- Finalmente a verdade é dita na TV Americana.



- Como é que Deus teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro 2001?' 




Anne Graham deu uma resposta profunda e sábia:



- Eu creio que Deus ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós. 


1) PEDIMOS A DEUS NÃO INTERFERIR EM NOSSAS ESCOLHAS

- Por muitos anos temos dito para Deus não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas.

- Sendo um cavalheiro como Deus é, eu creio que Ele calmamente nos deixou. Como poderemos esperar que Deus nos dê a sua benção e a sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?' 
À vista de tantos acontecimentos recentes; ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc...

2) ORAÇÕES NAS ESCOLAS

- Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O'hare (que foi assassinada), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas Americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.
 

3) LEITURA DA BÍBLIA NAS ESCOLAS

- Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas...
A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, roubar e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos com esse alguém.


4) PALMADAS NAS CRIANÇAS

- Logo depois o Dr.. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto estima (o filho dele se suicidou) e nós dissemos:
- 'Um perito nesse assunto deve saber o que está falando'. E então concordamos com ele.

5) DISCIPLINA NAS ESCOLAS

- Depois alguém disse que os professores e diretores das escolas não deveriam disciplinar nossos filhos quando se comportassem mal. Então foi decidido que nenhum professor poderia tocar nos alunos...(há diferença entre disciplinar e tocar).

6) ABORTO

- Aí, alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem.
E nós aceitamos sem ao menos questionar.


7) MÉTODOS ANTICONCEPTIVOS

Então foi dito que deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas, quantas eles quisessem para que eles pudessem se divertir à vontade.
E nós dissemos: 'Está bem!'


8) REVISTAS PORNOGRÁFICAS

Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia e uma a
preciação natural do corpo feminino.

9) FOTOS DE CRIANÇAS NA INTERNET

Depois uma outra pessoa levou isso um passo mais adiante e publicou fotos de Crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição da internet.
E nós dissemos:
'Está bem, isto é democracia, e eles tem o direito de ter liberdade de se expressar e fazer isso'.



_______________


Agora nós estamos nos perguntando porque nossos filhos não têm consciência e porque não sabem distinguir o bem e o mal, o certo e o errado; porque não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios... (ou parentes próximos - pais, mães, avó, irmãos, etc... - observações minhas) 

Provavelmente, se nós analisarmos seriamente, iremos facilmente compreender:


- nós colhemos só aquilo que semeamos!!!


Uma menina escreveu um bilhetinho para Deus:


- 'Senhor, porque não salvaste aquela criança na escola?'


A resposta dele:


- 'Querida criança, não me deixam entrar nas escolas!!!'


- É triste como as pessoas simplesmente culpam a Deus e não entendem porque o mundo está indo a passos largos para o inferno.


- É triste como cremos em tudo que os Jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia, ou do que a sua religião, que você diz que segue ensina.


- É triste como alguém diz:

- 'Eu creio em Deus'.

- Mas ainda assim segue a satanás, que, por sinal,também 'Crê' em Deus.

- É engraçado como somos rápidos para julgar, mas não queremos ser julgados!

- Como podemos enviar centenas de piadas pelo e-mail, e elas se espalham como fogo, mas, quando tentamos enviar algum e-mail falando de Deus, as pessoas têm medo de compartilhar e reenviá-los a outros!

- É triste ver como o material imoral, obsceno e vulgar corre livremente na internet, mas uma discussão pública a respeito de Deus é suprimida rapidamente na escola e no trabalho.

- É triste ver como as pessoas ficam amantes de Cristo no domingo, mas depois se transformam em cristãos invisíveis pelo resto da semana.

- Gozado que nós nos preocupamos mais com o que as outras pessoas pensam a nosso respeito do que com o que Deus pensa...

Escrito por: Daniel Amico



fonte: http://www.dihitt.com/barra/a-filha-de-billy-graham-na-tv-americana


_______________

O texto fora capitulado por Inajá Martins de Almeida que também o formatou. O link pode ser apreciado. 

segunda-feira, 16 de junho de 2014

O PREÇO DE SE BUSCAR A GLÓRIA DE HOMENS

por Inajá Martins de Almeida


“... e o povo clamava: É a voz de um deus e não de homem! (At. 12:22)

A fio de espada Tiago é sacrificado. Pedro é colocado em cárcere. O povo se alegra. O rei se exalta.

Bom é quando, ao lermos a Palavra de Deus nas Escrituras, podemos observar mandos e desmandos do poder. 

O mesmo povo subjugado é o que exalta: 

- “é a voz de um deus...”

Melhor ainda, sabermos e sermos alcançados pela graça que nos fora dada pelo sacrifício maior do único que disse ser o “Caminho, a Verdade e a Vida”. Aquele que jamais para si quis a glória dos homens. Aquele que se revestiu como um de nós. Aquele que sobre si nossas dores carregou – Jesus.

O madeiro não lhe servira de afronta. Consumado estava o domínio da mentira. A Verdade prevalecera.

- “Graças te dou ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos.” (Mt 11:25)

Podemos tecer o cenário. Gritos ensandecidos. Multidão em desvario. O deus cegara o entendimento de muitos, mas havia os que se prostravam em quatro paredes, confinados, a declinar orações incessantes a Deus, quando...

 “No mesmo instante, um anjo do Senhor o feriu, por ele [Herodes] não ter dado glória a Deus; e comido de vermes expirou”. (At. 12:23)    

Entretanto, no mesmo instante em que o poder é deitado por terra, ante vermes a lhe corroer entranhas, “orações incessantes a Deus por parte da igreja” repicam;  correntes são quebradas e Pedro, guardado em cárcere, sob severa escolta de quatro soldados, livre, levanta-se depressa e se dirige à casa de Maria mãe de João Marcos.  

A história narra três Herodes:
  • Herodes, o grande, responsável por muitos crimes, inclusive a matança de inocentes após o nascimento de Jesus;
  • Herodes Antipas, movido por caprichos da esposa e sobrinha manda executar João     Batista;    
  • Herodes Agripa, não menos sanguinário que os outros da sua descendência, ordena a   morte de Tiago e encarcera Pedro.
Todavia, à sombra de um passado sombrio e sanguinário, apenas ruínas, enquanto  que  "a Palavra do Senhor cresce e se multiplica” (At 12:24) em todo o planeta. 

Alerta! 

É chegado o tempo. Momento de endireitar o Caminho. Não aceitar glória de homens. Debater aquele que vem em seu próprio nome. Não dar glórias uns aos outros, antes buscar a glória que vem do Deus único. Porque somente Ele nos conhece...    

- "Eu não aceito glória dos homens, mas conheço vocês. Sei que vocês não têm o amor de Deus. Eu vim em nome de meu Pai, e vocês não me aceitaram; mas, se outro vier em seu próprio nome, vocês o aceitarão. Como vocês podem crer, se aceitam glória uns dos outros, mas não procuram a glória que vem do Deus único?" (Jo 5:41-44)


Disse Jesus e nós o que podemos dizer?

O que vale buscar a glória de homens!


"Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas vos serão acrescentadas"  (Mt 6:33)

terça-feira, 10 de junho de 2014

O RIO QUE FLUI DENTRO DE NÓS


por Inajá Martins de Almeida


O rio flui. Jamais para seu curso. Segue para o mar. Não para jamais. Deságua em grandes águas. Mistura-se ao sal. Torna-se sal.

Intrépida, percebo: fora-nos alertado sermos o sal da terra, ademais “se o sal for insípido, com que há de salgar? (Mt 5:13)

Aquele é apenas mais um córrego dentre tantos que cortam a cidade. A chuva pouca. Estiagem que assusta. Mas lá está ele a buscar por grandes águas. Obstáculos não lhe afrontam. Suas águas, aparentemente estagnadas, encontram fluxo abaixo do que os olhos podem contemplar.

Eu admiro aquele espetáculo inusitado. Para mim as águas mantinham-se paradas. Estagnadas. Por quê?

Parei a pensar o fenômeno. O que acontecia ali?

Ao meu lado meu companheiro de jornada reflexiona ao meu questionar e fala:

- “As águas correm por baixo”.

Aquelas palavras não saiam da minha cabeça a partir de então. Pensei nossas vidas estagnadas, quantas vezes, mas busquei as águas que “corriam por baixo”.

Dos bastidores pude contemplar. Leituras tantas. Estudos. Lágrimas e dores em meio ao caminhar não deixaram de ser ressaltados. Eram os passos de longe em longe a ganhar o presente tão presente. 

Algumas vezes cisternas rachadas a não reter água. Fundos poços a dificultar a retirada de água, até que...

Corrente de água aparentemente estagnada demonstra o rio que flui e converge “às águas vivas”.

Águas que saciam sede.

Foram então as águas paradas que puderam me levar à “fonte de água viva” e saciar a sede do entendimento maior, porque:

- “... do seu interior fluirão rios de água viva". (Jo 7:38)             


segunda-feira, 9 de junho de 2014

PASSE PARA A MACEDÔNIA

por Inajá Martins de Almeida
Instigam-me. Envolvem-me. Condicionam-me às reflexões ao avançar. Levam-me além do que as próprias palavras contidas no texto me sugerem – quantas vezes.
Era Saulo que segurava as vestes de Estevão ajoelhado ante as pesadas pedras que lhe ceifavam a vida.
Agora é Paulo quem atenta ao chamado inesperado:
- “Passa para a Macedônia e ajuda-nos...”
Saulo, judeu por nascimento, romano por merecimento Paulo.
Ao caminho de Damasco seus planos se vêem alterados para sempre. Imensa luz ceifa-lhe a visão do engano da lei para lhe mostrar o caminho da graça, quando estrondosa  voz invade sua audição:
- Saulo! Saulo! Por que me persegues?
Parei eu também a questionar; afinal por que de perseguidor, passa a ser perseguido?
O que teria mudado naquele trajeto? Poderia acontecer conosco também? “Planos de paz”.  Percebi que sim.
Paulo agora veste a armadura de Deus, combate o bom combate, guarda a fé. Segue o Caminho. Conserva o espinho na carne. Percebe que não lhe é profícuo recalcitrar contra os aguilhões (At 5:6)
Estanco ante as minhas próprias convicções. Quantas vezes as lutas foram travadas com os recursos de que dispunha. Quantas vezes, por desconhecimento, não recorri àquele que poderia caminhar comigo mais uma milha e aliviar meu fardo. Agora entendo que sofremos, pois nos falta entendimento. (Os 4:6) Assim, pude me levantar.
Paulo teve uma visão e imediatamente alterou seus planos de viagem. Quantas vezes nos faltam visões e atitudes para agirmos rapidamente com relação aos planos de Deus em nossas vidas.  
Passar para a Macedônia requer obediência. Paulo prontamente obedeceu à voz do Espírito Santo. E nós?    

quarta-feira, 4 de junho de 2014

FOME DE SONHOS

 por Inajá Martins de Almeida

Assistia eu a um treinamento do psiquiatra, escritor e palestrante Roberto Shinyashiki, quando me deparei com uma fala que me tocou fundo:

- “Você precisa ter fome”.

Estanquei. Passei a inquirir o sentido da fome. Percebi que só caminhamos quando as necessidades nos forçam a sair da área de conforto.

“E a fome era gravíssima na terra.” Gn 43:1

Olhei para dentro de mim. Acompanhei minha trajetória através da linha do tempo. Entre linhas e rabiscos, chuleei a jovem na capital paulista, recém formada, desempregada, mas dona de um sonho maior do que aquela imensidão. Emaranhado de pessoas que iam e vinham no burburinho das alamedas ruas e avenidas – todas abertas a conduzirem os sonhos da jovem. Janelas a vislumbrar horizontes infindáveis dos que sonham e buscam se realizarem através deles.

Era o sonho que movia o olhar inquieto. A mente a trabalhar em compassos alterados, enquanto gravitava em busca da realidade do sonho, o sonho realizável. Da realidade, o sonho real. A fome embalava o sonho.

Sonho... Dias após ao assombro, a fome me levaria a desvendar a existência de duas pessoas apenas: as que sonham e as que estão mortas. Logo formado estava o triângulo: - a fome, o sonho e a sonhadora.

A jovem sonhadora cedera lugar à senhora sexagenária cheia de sonhos. Sentia-me viva, ainda mais diante das lembranças. Os sonhos que se transformaram. Sonhos realizados. Sonhos abafados. Sonhos sonhados. Mas... Sonhos.         

Era eu a jovem que trazia na bagagem, muitos sonhos. Visões de um futuro alinhavando sonhos. Sou eu a sexagenária, que não perdeu os sonhos, ainda que muitos sonhos se tenham perdido pelos caminhos. Sonhos de sonhadores...

Eis que devemos nos lembrar dos nossos sonhos, “porquanto se achou neste Daniel um espírito excelente e conhecimento e entendimento, interpretando sonhos e explicando enigmas e resolvendo dúvidas...” (Dn 5:12)

Porque afinal percebi, que, “em toda a maneira e em todas as coisas estou instruída tanto a ter fartura como a ter fome... “ (Fl 4:12)

Fome de sonhos!

segunda-feira, 19 de maio de 2014

LÍDER OU LIDERADO

por Inajá Martins de Almeida

  
Pedro é convocado à organização da ceia pascal. Jesus dá as coordenadas quanto ao local. Situações adversas ao costume se apresentam:

- Siga um homem com cântaro na cabeça...

Estranho! Atribuição esta especificamente às mulheres – cultura daquela época. O que se pode concluir?...

Quais os sinais que fazem com que um líder venha influenciar pessoas, grupos, multidões ao ponto de se deixar liderarem? Qual a motivação dos liderados? Qual a missão da tarefa proposta? Qual o papel da figura do líder?

Homens. Um a um convocados foram a caminhar. A seguirem um plano. Abandonarem costumes familiares, religiosos, sociais por um novo projeto que transformaria, a partir daquele momento, a vida daqueles no presente e de multidão imensurável futuro afora. Um a um, doze agregaram-se e por três anos juntos caminharam. Plenos conhecimentos tinham de que a missão era seguir aquele que os convocara. E o seguiam.

Motivação possivelmente não lhes faltava, ainda que inusitado argumento a cada qual fora apresentado.

- Pedro, a partir de agora serás pescador de almas... Cuidará e apascentará minhas ovelhas!...

Como nos comportaríamos ante uma palavra que poderia comprometer nossa vida pregressa, nosso presente e nosso futuro?

Que argumento convincente.

Percebe-se na atualidade a palavra de ordem: - líder – liderança – liderados. Quantos, entretanto, o serem líderes? Quantos almejam a liderança. Em contrapartida, qual o comportamento dos liderados.

Jesus passava... Grande multidão o seguia... Tinha Ele a liderança? Preocupava-se com a tal, como hoje nos preocupamos?

Mulheres ocupam cada vez mais cargos de comando. Mas, como se reportam os homens, tidos como “cabeças”? E o “sexo frágil” como responde? Percebe-se tranquila conivência com as inversões de papéis, nos lares, nas escolas, nas empresas, na administração pública? Entretanto, o que pensamos nós mulheres! O que pensam os homens!

A prática demonstra que nas empresas, muitos homens não respondem ao comando feminino. Quantos se demissionam. Nos lares, mulheres chegam a perder a vida – quantas. Nas igrejas, inexpressiva presença feminina nas posições de liderança. Poucas pastoras, missionárias. Enfim... Quantos valores ocupam bastidores, quando poderiam em muito contribuir estando no palco.

Bem... Vamos seguir.  Se líderes ou liderados, pouco importa. Homens ou mulheres. O que realmente faz a diferença é o Caminho que a nós fora apresentado e aberto a todos quantos estejam predispostos a caminhar.

Se liderando ou liderado seguindo àquele que disse:

- Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida e ninguém vai ao Pai senão através de mim. 

__________________________

quarta-feira, 23 de abril de 2014

MARIA NÃO RECONHECE JESUS

por Inajá Martins de Almeida

"... Voltou-se para trás e viu Jesus em pé, 
mas não reconheceu que era Jesus...João 20:14


Maria Madalena, no sepulcro, pranteia. 

Há pouco perdera aquele a quem lhe resgatara a dignidade de mulher e lhe outorgara a esperança de um novo porvir. 

A cruz lhe causara espanto. Era seu Senhor. Seu remidor que ali se encontrava, pendurado naquele madeiro. 

No sepulcro,  atemorizada, não pudera antever o homem que lhe falava.

A quem buscava Maria, naquele frio sepulcro? 

A quem buscamos nós? O Cristo recém retirado do madeiro ou o ressurreto Senhor do princípio. O Verbo para quem todas as coisas foram criadas. 

Maria confusa olha o sepulcro. O vazio. Roupas brancas a um canto. O corpo ensanguentado, inerte, desaparecera. 

- Roubaram meu Senhor... Para onde o levaram... Questiona. 

- Maria! Por que choras?

- Raboni! 

Desperta Maria do seu sono. Alegra-se. Cessam-lhe as lágrimas.  

Ah! Como é bom e agradável o sussurro suave da voz de Jesus em meio às lágrimas. Lágrimas de mulheres.

Que Rabonis almejamos para nós Marias tantas... ?


  

sexta-feira, 11 de abril de 2014

E DEUS ENDURECEU O CORAÇÃO DE FARAÓ

por Inajá Martins de Almeida

Leituras dos textos sagrados surpreendem-me a cada releitura. Quanto mais ao me deparar com palavras que cintilam e me fazem dedicar tempo específico. 

Posso então analisá-las, decompô-las, estudar seus sentidos, momento em que vislumbro aplicação prática para o viver presente, porque: 

- “tudo o que dantes fora escrito, para nosso ensino fora escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança” (Rm 15:4).

Desta feita, endurecer o coração de faraó levou-me ao Egito, quando Moisés declinava as ordens de Deus para a libertação do povo cativo em terras estrangeiras e tremia os alicerces, antes inabaláveis, do senhor daquela nação.

Moisés que educado fora na ciência vigente da época, dentro de suntuoso templo. 

Moisés que aos planos de faraó seria o sucessor do trono, agora se vê seguro, ante aquela figura austera, mas tão frágil.

Moisés que vislumbrara a magnanimidade de quem a ele se apresentara em meio a sarsa ardente que não se consumia, não gagueja.

Moisés que despira os pés ao adentrar uma terra santa.

Moisés que ouvira o EU SOU a dizer:

- “Eu vi a aflição de meu povo que está no Egito. Ouvi os seus clamores por causa de seus opositores. Eu conheço seus sofrimentos...” (Ex.3:7)

Moisés, agora, incomodava aquele que outrora o elegera príncipe e não podia ouvir as recomendações Daquele que não conhecia.

Moisés, que bem sabia quem colocava palavras em sua boca. A libertação de um povo cativo se fazia iminente:

“- Deixa ir o meu povo, para que me sirva...” (Ex.9:1).

Deus endurecia o coração de faraó. (Ex.9:12)

E quanto mais Deus tocava na potência que era a nação, ceifando-lhe bens, mais o coração de faraó se enrijecia, tornava-se duro, insensível, intransigente, endurecido.

Ah! Soubera entender que "ao homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz, de repente será destruído sem que haja remédio” Pr 29:1

Tragado fora grande exército por águas revoltas. Grande alvoroço se fez sentir. 

A nação escrava não mais erigia monumentos. A terra prometida que manava leite e mel agora podia ser vislumbrada.   

Em nossos dias, mediante tanto ensinamento será que nos convém “recalcitrar contra os aguilhões”? (At 26:14)

E Deus endureceu o coração de faraó. Poderia endurecer o nosso coração também?

"- Eu sou o Senhor e não mudo". (Ml 6:3)




quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

QUEM DERA PODER RETORNAR

por Inajá Martins de Almeida


O que fazemos com nossos sonhos?

Por que os perdemos se tanto investimos neles?

Não nos damos conta, mas eles nos dão sinais.

Troca de mensagens. Imagens lindas. Juras de amor eternas. O passado se interpõe ao presente:




- “Se não der certo volte que meus braços te esperam...”.



Seria reminiscência do filho pródigo?






Interrogação que paira. Interrogação que fica. Interrogação que jamais se apaga. Interrogação retorna com força total.

“Que ninguém se engane a si mesmo”. (1 Co 3:18)

- “Eu torço muito por você. Para que tudo de certo”. Outra ocasião o sinal se levanta.

E nos enganamos. E confiamos quando nos alertaram que maldito fosse o homem que no homem confiasse.

Jugo desigual não poupa ao menos o homem segundo o coração de Deus. Por que pouparia na atualidade? Casais apaixonados. Encontros fortuitos, tal folhas ao vento são levados.

O clamor se levanta:

- “ Se um inimigo me insultasse, eu poderia suportar; se um adversário se levantasse contra mim, eu poderia me defender; mas logo você, meu colega, meu companheiro, meu amigo chegado? Você com quem eu partilhava agradável comunhão enquanto íamos com a multidão festiva para a casa de Deus?” (Sl 55:12-14)

É o levante do Édem. A desobediência do casal primeiro. A falta de cuidado, de zelo. Afinal “fora a mulher que me deste por companheira...” clama em alto brado a criatura ao Criador.

E papéis se tornam invertidos. Aquele que deveria cuidar, quer a si cuidados. Aquele que deveria zelar  negligencia ao zelo. Aquele que deveria nomear a criação aparta-se da incumbência.

Mas os olhos de Deus estão por toda terra. Nada em oculto. Tudo exposto e descoberto. (He 4:13) . “Nada há escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz” (Lu 8:17)

A submissão é vista de forma distorcida. Homens não amam suas esposas como Cristo amou a igreja.  Separações rompem laços. Jesus é esquecido no templo, quando não do lado de fora do templo.

Ao amor do início se vira as costas.

Olhos e coração apenas almejam a partilha da herança. Bens materiais que não tardam a se consumirem.

É o desprezo pelo paraíso.

Que Teus braços Senhor estejam sempre abertos para receber aqueles que sabem que até servos e os porcos são bem alimentados em Tua casa.

Que a Ti não importa a partida, mas a volta.

Quem dera entender tantos pudessem...

A distância entre a partida e a volta é apenas uma questão de atitude a Teus Olhos. 



_____________________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...